Bolo de cenoura

O bolo favorito da minha caçula é o de cenoura (puxou a mãe)! Toda vez que pergunto qual bolo devo fazer naquela semana as respostas se dividem, mas “bolo de cenoura” é sempre a pedida dela! E não foi diferente quando fiz essa pergunta em seu aniversário. Então aqui compartilho com vocês essa receita tão querida em nossa casa!

IMG-20150515-WA0007

Ingredientes:

3 cenouras médias
4 ovos
1 xícara de óleo
2 xícaras de farinha de trigo
2 xícaras de açúcar
1 colher (chá) essência de baunilha
1 colher (sopa) fermento em pó

Modo de preparo:

Lave, descasque e corte as cenouras. Coloque-as no liquidificador juntamente com os ovos, o óleo e a essência de baunilha! Bata tudo até formar uma mistura homogênea. Reserve.

Numa tigela coloque a farinha, o açúcar e o fermento. Misture tudo e, após, adicione a mistura das cenouras. Mexa até uniformizar a massa.

Despeje o líquido em uma assadeira untada de margarina e enfarinhada. Leve-na para o forno pré aquecido em 180ºC por aproximadamente 40 minutos (lembre-se de fazer o teste do palito após 35 minutos, já que o tempo varia de forno pra forno e, caso você abra o forno antes disso o bolo poderá “desandar”).

Cobertura:
1/4 xícara de leite
2 colheres (sopa) cacau em pó
1/2 xícara de açúcar
1 colher (sopa) cheia de manteiga

Coloque tudo em uma panela e eve ao fogo médio.Se você gosta da calda bem líquida, então aguarde apenas até homogeneizar tudo, isto é, até que a manteiga tenha derretido completamente e o açúcar não esteja mais visivelmente granulado na mistura. Se preferir que fique uma “casca durinha”, então mexa até começar a desgrudar da panela e despeje imediatamente sobre o bolo, pois caso contrário endurecerá na panela e você precisará de mais leite para retomar o ponto da calda.

Dica: Sempre que for colocar ingredientes no liquidificador insira os líquidos primeiro. Assim o liquidificador não ficará sobrecarregado (fazendo força extra) na hora de liquidificar tudo.

Qual é o seu propósito?

Você tem um propósito? Sabe o que quer e para onde direcionar a sua vida? Já definiu alguma meta?

Mas… esse propósito e essa meta são inerentes à sua vida como um todo ou à sua carreira? Pergunto, pois estamos falando de coisas distintas. Afinal, sua vida não pode se basear e nem se restringir à sua profissão, certo? Continue lendo Qual é o seu propósito?

Coalhada

Meu avô paterno veio do Líbano com 17 anos, para visitar um irmão, e nunca mais foi embora. Minha avó, esposa dele, era filha de libaneses. Ou seja… tenho tanto o sangue quanto o estômago com uma ascendência libanesa forte!

Ainda não sei fazer tanta coisa da cozinha árabe como gostaria, mas quero aprender mais e vou repassar o que puder aqui pra vocês também! 

A coalhada, no entanto, eu sei fazer!! (Yupi! Pelo menos isso! rs) Ela é a base para muitos pratos árabes. Então vamos ver como se faz e colocar a mão na massa! Digo, no leite…

20150821_104621

Ingredientes:

4 litros de leite (preferencialmente o de saquinho)

4 copos de iogurte natural integral

Modo de preparo:

Ferva o leite. Após, aguarde esfriar um pouquinho – apenas ao ponto de você conseguir colocar o dedo no leite e contar (no máximo) até 10. Despeje os iogurtes. Mexa bem, porém de forma delicada.

Após, cubra o recipiente e deixe-o de um dia para o outro num local fechado e escuro (no forno desligado, por exemplo).

E pronto! Basta levar para a geladeira! Você pode deixar no recipiente grande ou colocar em copos/tigelas (como na foto acima).

Coalhada é um alimento muito bom pra pele e pra flora intestinal. É cheia de bactérias saudáveis! Você pode comê-la pura, com mel, açúcar, granola… enfim, do jeito que a sua imaginação e o seu estômago desejarem! E bom apetite!

20150821_101014

Quadro de pontos

Há muitos anos vi em algum programa na TV, do tipo “Supernanny”, a utilização de um quadro para “controle” do comportamento das crianças de uma determinada família. Achei interessante a ideia.

Esse ano a escola do meu filho também adotou um quadro de controle grande em sala de aula, para o incentivo da frequência. Nos dias em que as crianças vão à escola (há separação individual, por nome), elas recebem uma daquelas carinhas amarelas com um sorriso. No dia em que faltam, a professora e os demais colegas colocam uma carinha triste (tipo: “sentimos a sua falta”).

Achei que já era hora de usar um quadro aqui em casa também, pois me facilitaria na organização e disciplina das crianças. Antes de mais nada conversei com os 2 sobre isso. Perguntei se poderíamos fazer um quadro onde marcaríamos pontos positivos e negativos de acordo com o que eles fizessem ou deixassem de fazer. A euforia deles me surpreendeu!

Primeiramente anotamos as ideias de quais seriam os itens listados no quadro. Colocamos no papel somente as mais plausíveis, é claro. Anotamos inicialmente as seguintes “obrigações”: (i) guardar o pijama no local certo; (ii) dar água e comida pro cachorro; (iii) levar o prato e o copo pra pia da cozinha após o uso; (iv) guardar roupas e sapatos; (v) aguardar brinquedos; (vi) fazer o dever; (vii) ajudar papai e mamãe; (viii) arrumar a mesa, dentre outros. Também anotamos aquilo que eles não deveriam fazer, como: (i) briga; (ii) choro e birra; (iii) pé no chão (descalço).

Simplificamos os “títulos” e escrevemos tudo em letra de forma, pra facilitar para o meu filho mais velho, que está em fase de alfabetização. Com isso ele está sendo incentivado a tentar ler o que está escrito ali, e poderá compreender tudo, sem maiores problemas. Além disso, colocamos o nome dos dois no topo juntamente com um símbolo de + e de – em duas colunas distintas, abaixo dos respectivos nomes, representando os pontos que eles ganham ou perdem de acordo com a postura e o agir de cada um.

20150821_095847Estamos colocando em prática esse “exercício” desde a semana passada, e já na primeira semana vi resultado na automatização deles em determinadas situações, como o guardar o pijama após se trocar de manhã e o levar os pratos para a pia. Eu ainda os lembro que ganharão ou perderão ponto e isso, por si só, muitas vezes já basta para a mudança de atitude, não sendo mais necessário brigar ou “tirar direito” (“castigo”).

Ao final do mês contabilizaremos a pontuação e decidiremos o “prêmio” (uma lembrancinha, um direito extra, moedas de R$ 1,00 pro cofrinho de acordo com os pontos…).

Os resultados têm sido bem satisfatórios! So far so good! Alguém mais coloca em prática o “Quadro de Pontos” em casa?

 

 

Comida, beleza, diversão e reflexão